Posts Recentes

Paraíba terá produção de bijuterias a partir de recursos minerais do semi-árido a partir de projeto


Uma cooperativa que reúne garimpeiros da cidade de Nova Palmeira, Seridó do estado, está se preparando para produzir bijuterias a partir dos recursos minerais extraídos no semi-árido paraibano. As peças serão desenvolvidas pelos integrantes da Cooperativa dos Garimpeiros de Noiva Palmeira (Coogarimpo) para comercialização em toda a região. A Coogarimpo é mais uma iniciativa que tem o apoio do Projeto de Desenvolvimento Sustentável do Cariri, Seridó, e Curimataú (Procase) através do Governo do Estado da Paraíba.


As peças vão desde pingentes com referências a santos católicos que serão comercializadas nas festas religiosas da região, a pequenas bijuterias feitas a partir de rochas ornamentais da região como a calcedônia, que são cristais coloridos de quartzo encontrados em abundância naquela região do Estado.


Em reunião ocorrida esta semana entre a direção da Coogarimpo e representantes da secretaria da Infraestrututura, Recursos Hídricos, Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia (SEIRHMACT), representada pelo Departamento de Recursos Minerários e Hidrogeologia (DRMH) ,Sebrae-PB e Procase, foram discutidos todos os pontos necessários para o inicio desta produção, ficando acordado que os profissionais do Sebrae-PB darão suporte técnico através de cursos sobre marketing e estratégia de vendas.


Já o Procase e a DRMC/SEIRHMACT continuarão dando apoio necessário para o inicio da comercialização com capacitações acerca da extração dos minérios e a forma correta e sustentável do uso dos recursos naturais. Segundo o consultor ambiental do Procase, Thiago Silva, para que se iniciem os trabalhos, algumas adequações na fábrica de bijuteria estão sendo finalizadas de acordo com a exigência ambiental.


“Para que tudo seja produzido de forma responsável e sustentável, serão finalizadas adequações na infraestrutura da fábrica, a principal delas será a construção de uma estação de tratamento de efluentes industriais, pois existe a produção de um resíduo formado por óxido de cobre, óxido de alumínio e pó mineral, todos elementos contaminantes. Precisamos garantir que estes sejam destinados corretamente para atender a legislação ambiental”, disse.


Para o coordenador do Procase, Hélio Barbosa, o inicio da fabricação e comercialização das peças na Coogarimpo é mais um grande passo dado pelo Procase no Estado. “O mais interessante é que, mesmo após o inicio da fabricação, o Procase continuará dando todo e qualquer tipo de apoio àquela comunidade, pois este é o espírito de nosso Projeto: apoiar e dar todo o suporte aos projetos produtivos que são atendidos pelo Procase”, disse.

Central de Notícias

mulher

Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square